Ajude nos com sua doação

Translate

Destaques de hoje.

Brasil é o terceiro país em lista de prioridades de multinacionais

O Brasil é o terceiro numa lista de prioridades das empresas multinacionais em seus planos de investimentos no exterior, constata Unctad (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e o Desenvolvimento).
O relatório sobre a perspectiva mundial de investimentos foi baseada em consultas a mais de 200 companhias transnacionais, bem com uma centena de agências de promoção de investimentos, que buscam atrair recursos externos para seus países.
O levantamento deste ano, com as projeções para 2011 e 2012, indica que a China ocupa o topo da lista das maiores prioridades das empresas transnacionais para o período 2010-2012. O gigante asiático é citado mais de 100 vezes quando os executivos são questionados sobre sua "prioridade máxima" nos seus planos de investimentos para o exterior.
Logo abaixo no "ranking" dos países mais citados vem Índia, Brasil, EUA, Federação Russa, México, Reino Unido, Vietnã e Indonésia. No ano passado, o Brasil estava na quarta posição entre as "prioridades máximas".
"Pela primeira vez, as quatro maiores economias emergentes -- China, Índia, Brasil e Federação Russa --estão ranqueadas entre os cinco maiores destinos de investimentos", notam os analistas da Unctad, destacando ainda proeminência dos países asiáticos, mencionados seis vezes na lista das 15 maiores prioridades.
A pesquisa também destaca a presença cada vez mais de empresas dos países em desenvolvimento no fluxo global de investimentos diretos estrangeiros. Consultadas, as agências de promoção de investimentos (que procuram atrair recursos externos para seus países) listam empresas da Índia e da Federação Russa entre as dez "fontes" mais promissoras, num período de três anos.
"Embora ainda limitado, o número de transnacionais de países em desenvolvimento com planos mundiais de investimentos em larga escala está crescendo", avaliam os especialistas da Unctad.
A maior parte (202) das 236 empresas ouvidas pela Unctad são de países desenvolvidos, sendo que a Europa (131) é o continente de origem de mais da metade dessas companhias. A maioria (61%) é do setor industrial, sendo que 35% atua no setor de serviços. Por tamanho de ativos, uma parcela de 44% possui entre US$ 500 milhões e US$ 4 bilhões, enquanto outros 35% tinham menos de US$ 500 milhões.

Fonte: Folha de São Paulo
========================================

Receita em Minas diz que acesso pode ter sido apenas a dados cadastrais de EJ

O Superintendente da Receita Federal em Minas Gerais, Hermano Lemos Machado, disse à Folha na manhã de hoje (06) que o órgão está apurando o que ocorreu na agência na cidade de Formiga (a 210 km de Belo Horizonte), mas que pode não ter havido quebra de sigilo dos dados fiscais de Eduardo Jorge, vice-presidente do PSDB, já que o acesso teria sido apenas aos dados cadastrais.
Machado afirmou que toda apuração ainda é preliminar porque, somente no final de semana, a Superintendência em Minas tomou conhecimento da notícia de que houve acesso aos dados de EJ por parte de um servidor do órgão em Formiga: Gilberto Souza Amarante, que é filiado ao PT da cidade de Arcos (a 30 km de Formiga).
Caseiro Francenildo se nega a gravar para Serra na TV
Analistas da Receita reduzem críticas para não beneficiar Serra
Para Dilma, não há motivação eleitoral no caso das quebras de sigilo
Acompanhe a Folha Poder no Twitter
Conheça nossa página no Facebook
Segundo Machado, somente com o trabalho que está sendo feito a partir de hoje será possível emitir uma posição.
A suposição de que o acesso teria sido aos dados cadastrais se baseou em um extrato com informações dos acessos feitos pelo servidor, publicado ontem pelo jornal "O Estado de S. Paulo".
"Pelo documento do jornal, não teria sido acesso à declaração. Nesse acesso se obtém apenas nome e endereço. O sistema acessado é o que acessa o CPF. Mas isso é preliminar, estou me baseando pelo que vi no jornal. Ainda estamos apurando", disse o superintendente.
Segundo ele, a superintendência da Receita em Minas não foi até hoje intimada para prestar informações à corregedoria do órgão em Brasília, que apura a quebra dos sigilos fiscais de pessoas ligadas ao PSDB e ao candidato a presidente tucano José Serra.
Sobre o servidor Amarante, o superintendente afirmou que, em princípio, ele vai continuar trabalhando normalmente. Um afastamento ocorreria apenas com as investigações que começaram nesta manhã, se houver algum motivo que justifique a medida.
A agência da Receita em Formiga está subordinada à Delegacia da Receita Federal de Divinópolis, que está vinculada diretamente à superintendência do órgão baseada em Belo Horizonte.

Fonte Folha de São Paulo.
================================================

Categories: Share

Leave a Reply