Ajude nos com sua doação

Translate

Dilma reage com 'tranquilidade' a telegrama que a relaciona com assaltos na ditadura

Morango Ácido Comenta: Não surpreende em nada as notícias vazadas pelo Wikileaks. Já sabiamos que Dilma foi terrorista. Mas naquela época ela tomou a decisão que acreditou ser a melhor para o país, naquele cenário.
Hoje o pensamento de Dilma é outro. Mas ela carrega um plus, por ter sido terrorista ela pode desenvolver estratégias eficazes contra o crime.
===============================

A presidente eleita, Dilma Rousseff, recebeu com "tranquilidade" a informação de que a diplomacia dos Estados Unidos afirmou em telegrama confidencial de 2005 que ela, então recém-nomeada para a Casa Civil, "organizou três assaltos a bancos" e "planejou o legendário assalto popularmente conhecido como 'roubo ao cofre do Adhemar' " na ditadura.
Segundo fontes do governo de transição, ela "demonstrou tranqüilidade e não fez nenhum comentário".
Ainda de acordo com interlocutores, não está confirmado um encontro de Dilma com o número três da diplomacia americana, William Burns, que na segunda-feira desembarca em Brasília para encontrar com o governo de transição e representantes do governo Lula.
O telegrama faz parte de um lote de nove documentos obtidos pela ONG WikiLeaks aos quais a Folha teve acesso. Não há nenhuma menção à fonte da informação.
Dilma nega ter participado de ações armadas quando militou em organizações de esquerda, nos anos 60. O processo sobre ela na Justiça Militar descreve de forma diferente sua atuação: "Chefiou greves, assessorou assaltos a bancos". Não é acusada de "organizar" ou "planejar" assaltos. Ela foi condenada por subversão.
O embaixador dos EUA em Brasília, Thomas Shannon, disse à Folha: "O governo dos EUA não tem informação que confirme essas alegações. Ao contrário, nós temos uma longa e positiva relação com a presidente eleita".
No caso das ações armadas, há coincidência entre o que está no telegrama dos EUA e um trecho do livro "Mulheres que Foram à Luta Armada", do jornalista Luiz Maklouf Carvalho (1998).
Não há até hoje, entretanto, evidências concretas sobre a participação de Dilma em ações armadas.

/Editoria de Arte/Folhapress
Fonte: Folha Poder.

Categories: , Share

Leave a Reply