Ajude nos com sua doação

Translate

Justiça britânica confirma decisão de libertar Assange sob pagamento de fiança

Vazamento de documentos sigilosos da diplomacia dos EUA pelo WikiLeaks

A Justiça britânica confirmou nesta quinta-feira (16) a decisão de libertar o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, da prisão sob o pagamento de fiança no valor de 200 mil libras (317 mil dólares).
Na última terça-feira (14), um juiz britânico já havia autorizado a liberdade condicional para Assange sob o pagamento de fiança, mas a decisão foi adiada devido a um recurso apresentado pelos advogados que representam o governo sueco no processo que pode levar à sua extradição para a Suécia, onde é acusado de crimes sexuais.
Na decisão desta quinta-feira, o juiz reconheceu que Assange tem cooperado com as autoridades suecas com relação às acusações, segundo a rede de notícias "Sky News". 
A notícia foi comemorada pelos apoiadores de Assange. Com a ajuda de amigos e de personalidades, entre eles o cineasta Michael Moore e a socialite Jemima Khan, o australiano já conseguiu reunir o valor suficiente para pagar a fiança, segundo seu advogado Mark Stephens.
Além da fiança, Assange terá de entregar seu passaporte para a polícia, vai ter que cumprir um toque de recolher e será monitorado através de uma etiqueta eletrônica. No dia 11 de janeiro de 2011, ele deve comparecer à corte para uma nova audiência do processo.
  • Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, é visto através das janelas de carro da polícia ao chegar para depor em Londres na terça (14)
Antes do início da audiência, a proibição do uso do Twitter dentro do tribunal causou polêmica entre jornalistas. Segundo o juiz Duncan Ouseley, tuitar dentro da corte poderia distrair os envolvidos.
"Isto não é algo com que eu normalmente tenho que lidar. O juiz distrital Riddle [Howard, que julgou o caso na terça] permitiu o uso dos 'tweets'. Isso significa mensagens curtas, enviadas por um Blackberry ou um laptop", acrescentou o juiz, ainda segundo o site do jornal britânico "The Guardian".
"Eu reconheço que pode haver debate (...) O problema é que o Twitter pode envolver um potencial de causar distrações à atmosfera da corte ", completou Ouseley.
 
Histórico das acusações

Em agosto passado, a Suécia emitiu um pedido de prisão contra Julian Assange, em suposto caso de crimes sexuais cometidos em Estocolmo e Enköping. O pedido é retirado dias depois, mas a promotora Marianne Ny retoma o caso e, em novembro, a Suécia emite uma ordem de prisão internacional contra o Australiano.
A Interpol coloca Assange entre os "procurados", aumentando a atenção com o caso. Em 7 de dezembro, ele se apresenta voluntariamente a uma delegacia em Londres e fica detido, com pedido de fiança negado.

Fonte: Uol Notícias

Categories: Share

Leave a Reply