Ajude nos com sua doação

Translate

Advogado chama Amanda Knox de 'demoníaca' em tribunal italiano

Americana foi condenada por ter assassinado Meredith Kercher.
Advogado de homem acusado por ela disse que a estudante é 'satânica'.

Amanda Knox, a estudante americana condenada por matar sua companheira de quarto britânica, é "demoníaca" e deliberadamente acusou um homem inocente para encobrir seu próprio crime, disse o advogado do homem envolvido no caso, nesta segunda-feira (26), na Itália.
Knox foi condenada por ter abusado sexualmente e assassinado Meredith Kercher, enquanto elas estavam estudando em Perugia, na Itália, em 2007, e sentenciada a 26 anos. Ela nega qualquer acusação e recorre do veredito emitido em 2009.
No início do julgamento, Knox acusou Diya "Patrick" Lumumba de ser o assassino. Como resultado, Lumumba foi preso por cerca de duas semanas - e então liberado.
Amanda Knox, centro, é levada à Corte de Perugia, na Itália, nesta segunda-feira (26) (Foto: Stefano Medici/AP)Amanda Knox, centro, é levada à Corte de Perugia, na Itália, nesta segunda-feira (26) (Foto: Stefano Medici/AP)
Nesta segunda-feira (26), o advogado de Lumumba dirigiu-se ao tribunal que julga apelação de Knox. "Quem é Amanda Knox? Será que ela é essa pessoa de aparência leve, rosto de frescor que você vê aqui, ou uma pessoa dedicada à luxúria, drogas e álcool que emerge dos documentos tribunal?" Perguntou Carlo Pacelli. O advogado afirmava que uma alma dupla coexiste na americana de 24 anos de idade.
"Tanto santa e demoníaca, satânica, diabólica que a leva para o comportamento bipolar. Esta foi a Amanda de 1 de novembro de 2007", na noite do assassinato. Ele insiste que, no momento do crime, "ela era uma mistura explosiva de drogas, sexo e álcool."
Kercher foi morta a facadas no apartamento que ela dividia com Knox. A estudante americana chegou a dizer aos investigadores que estava em casa durante o assassinato e teve que cobrir seus ouvidos para abafar os gritos de Kercher, enquanto Lumumba a assassinava, segundo documentos judiciais.
Knox mantém a versão de que a pressão da polícia levou-a a acusar Lumumba, um congolês dono de um bar em Perugia, onde a americana ocasionalmente trabalhava. Lumumba também está pedindo indenização a Knox em um processo distinto, já que sua fala o levou a ser detido injustamente.


Fonte: G1

Categories: , Share

Leave a Reply