Ajude nos com sua doação

Translate

Sem atendimento, homem fica 20 horas na calçada de hospital de SP

 Sob sol forte, um homem passou 20 horas caído na calçada do pequeno pronto-socorro da Barra Funda, à vista de todos os funcionários do lugar, sem ser atendido.
Miguel Centurion, 37, é morador de rua, como o homem que morreu em abril do ano passado na frente do mesmo pronto-socorro, depois de passar o fim de uma tarde e uma noite inteira na calçada.
No pronto-socorro Álvaro Dino de Almeida, um atendente disse que o local não pode pegar pessoas da via. Ele afirma que pacientes que estejam na rua precisam chegar com o Samu.
Fernando Nascimento, 33, que mora ao lado do pronto-socorro, diz que ligou para o Samu para pedir que levasse o homem até dentro da unidade. A resposta foi negativa, porque o paciente estava no local de destino.

Fernando Donasci - 25.jan.12/Folhapress
Miguel Centurion fica caído em frente ao pronto-socorro Barra Funda por cerca de 20 horas até ser atendido
Miguel Centurion fica caído em frente ao pronto-socorro Barra Funda por cerca de 20 horas até ser atendido
O mesmo problema ocorreu no ano passado.
Uma funcionária do Samu, que levava outro paciente ao local, disse que "é um absurdo ter que chamar uma ambulância para pegar um homem que está na porta do pronto-socorro".
O porteiro do prédio ao lado, Gilvan José dos Santos, 34, diz que pela manhã pediu a um dentista da unidade, que fumava na calçada, para tentar ajudar o homem. Mas, segundo Santos, o dentista disse que seria melhor dar gasolina para ele.
Por falta de interesse da equipe da unidade, Miguel só foi atendido às 16h26, quando a reportagem da Folha, ao se passar por moradora do bairro, disse que ficaria responsável por ele.
Ao ser questionado pela equipe médica, ainda na calçada, se gostaria de receber atendimento, Miguel acenou que sim com a cabeça, o único movimento que conseguia fazer. Ele também não era capaz de falar.
Os enfermeiros colocaram o paciente na cadeira de rodas, sem antes checar se ele tinha fraturas e com o único cuidado de colocarem luvas neles próprios. Miguel gemeu muito de dor e não tinha forças para ficar sentado.
Segundo funcionários do pronto-socorro, ele já havia sido atendido no dia anterior, com fraqueza e inapetência, mas depois foi liberado.
Procurada, a Santa Casa de Misericórdia, gestora do local, não respondeu ontem por que o homem não foi atendido. A Secretaria Municipal da Saúde afirma que irá apurar as responsabilidades.
A reportagem tentou encaminhar Miguel para atendimento social. Não conseguiu. Os Cras (Centros de Referência em Atendimento Social) só funcionam em dias úteis, assim como a assistência social do pronto-socorro.

Fonte: Folha de SP

Categories: Share

Leave a Reply