Ajude nos com sua doação

Translate

Nunca esqueceremos Bianca Consoli e Daniel Neres Maciel.

Bianca Consoli

A jovem cheia de sonhos e com uma vontade imensa de deixar sua assinatura no mundo através do seu trabalho, dos seus sonhos e da sua alegria.
A jovem teve sua vida interrompida em 13 de setembro de 2011, sendo brutalmente atacada dentro de sua casa, e que a pericia indicou possível violência sexual cometida contra a jovem.

Lembro que à época o caso era extremamente controvertido e demorou-se para descobrir o acusado, cogitou que o ex namorado Daniel, com quem Bianca ficou noiva, teria matado a jovem por não aceitar o termino do relacionamento.

Mas esta hipótese foi descartada, pois o jovem Daniel não tinha ligação com a morta de Bianca e a própria Justiça chegou a esta conclusão ao decorrer das investigações.

O mistério cresceu, mas não durou muito tempo. Após um exame de DNA de uma calça do ex-cunhado Sandro Dota, a Justiça descobriu o real culpado.

Depois de um longo caminho dentro da Justiça Criminal, finalmente em 17 de setembro de 2013 a sentença condenatória sai.

O acusado "foi submetido a julgamento pelo Tribunal do Júri desta Comarca como incurso nas sanções do artigo 121, § 2°, II, III e IV e artigo 213, ambos do Código Penal.
Submetidos os quesitos à votação, os senhores jurados reconheceram ter o réu praticado o crime de homicídio triplamente qualificado e estupro, deixando de reconhecer o privilégio." Trecho extraído da sentença condenatória

A sentença passou a seguir as determinações do Código Penal parte geral, para determinar a quantidade e cumprimento da pena.

Após analisar todo o contexto e principalmente a frieza do acusado em negar e tentar desviar a acusação de si. A própria juiza diz na sentença, "Quanto à personalidade e à conduta social do réu, ele deu entrevistas em programas de televisão de grande audiência, em emissoras nacionais, nas quais apresentou diversas versões sobre o acontecido, denotando ser uma pessoa dissimulada e manipuladora. Primeiramente, o réu gritava para todos ouvirem que era inocente, que não tinha capacidade de matar um ser humano, nem motivos para matar Bianca, explicando que havia álibis para comprovar sua inocência. Em uma das matérias, o réu inclusive aparece no enterro da ofendida e afirma que o que fizeram com Bianca foi uma brutalidade e que o autor deveria ser colocado na cadeia. Ele foi firme e categórico em asseverar sua inocência reiteradamente. Tempos depois, o denunciado, em nova matéria televisiva, confessou tão somente a prática do homicídio, alegando que mentir tinha sido mais fácil do que falar a verdade, e pediu perdão aos familiares da ofendida. Nesta ocasião, o réu afirmou que se preparou para as entrevistas, desde a primeira, escrevendo papéis e decorando as falas. Tais fatos revelam quão maquiavélico é o denunciado, agindo de forma hipócrita e falsa. Sem olvidar que o réu, com essas entrevistas, agiu de forma egoísta, transformando crimes gravíssimos em um espetáculo, como se estivesse em uma arena de circo, sem poupar o sofrimento dos parentes e dos demais que sentiam a perda de Bianca.
Ele fez de seus atos delitivos uma encenação, sem qualquer respeito aos que eram próximos da ofendida e sofriam com sua morte. Em outro momento, o réu debochava dos fatos, falando a vizinhos que tudo “acabaria em pizza”, segundo narrado pela mãe da ofendida. Todas essas circunstâncias apontam elevada reprovabilidade e ofensividade social da conduta do réu." Outro trecho retirado da sentença condenatória.

Finalmente chega-se a condenação do acusado, "Diante do exposto, CONDENO o réu S. D., qualificado nos autos, às penas de 31 anos de reclusão, no regime fechado, pela prática dos crimes previstos no artigo 121, § 2°, II, III e IV e artigo 213, na forma do artigo, todos do Código Penal. Recomende-se o réu na prisão em que se encontra recolhido. Com o trânsito em julgado, insira-se o nome do réu no rol dos culpados. Publicada em plenário, saem os presentes intimados. Registre-se e comunique-se. Sala Secreta do Quarto Tribunal do Júri da Comarca da Capital, 17 de setembro de 2013." Trecho retirado da sentença condenatória.

Bianca Consoli e Daniel Neres Maciel
Outro ponto neste triste episódio, seu ex-noivo, Daniel Neres Maciel acabou morrendo em um acidente de carro.

Daniel e Bianca namoraram, construíram juntos um pequeno patrimônio para se casarem, porém o casamento não aconteceu e os dois se separaram.

Porém continuaram muito amigos, mesmo depois do término.

Porém 19 dias após a morte de Bianca, o jovem Daniel perdeu sua vida.
Em 02 de outubro de 2011 o carro do jovem bateu em uma mureta de concreto na Rua dos Alpes, no bairro Jaçatuba, em Santo André, no ABC, na madrugada daquele domingo.

O veículo era conduzido pela namorada do jovem naquela época, e familiares do jovem contam que ele teve um mau pressentimento.

Talvez Bianca e Daniel eram almas gêmeas e se reencontram no outro plano. Porém foi um acontecimento triste que ceifou a vida destes dois jovens de maneira tão inexplicável. 

Categories: Share

1 comentários: