Ajude nos com sua doação

Translate

Justiça decreta prisão de nove envolvidos em confronto com a PM na Cidade de Deus


A juíza Angelica dos Santos Costa, do Tribunal de Justiça do Rio, decretou na madrugada desta segunda-feira, dia 21, durante o Plantão Judiciário, a prisão temporária de nove suspeitos de participarem dos confrontos com a Polícia Militar na Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, no último sábado, dia 19. Eles são acusados de associação ao tráfico.
Os investigados são: Wagner Andrade da Silva, Carlos Henriques dos Santos, Leandro de Souza Santos, Edvanderson Gonçalves Leite, Luiz Augusto Ribeiro Vilhena, Weverton Rodrigo Gonçalves de França, Leonardo Martins da Silva Junior, Marcos Vinicius de Oliveira e Jardel Teixeira de Oliveira.
Na decisão, a magistrada ressalta que documentos, depoimentos de policiais militares e informações passadas ao Disque-Denúncia são evidências de que os nove são integrantes do Comando Vermelho, facção criminosa que controla o tráfico de drogas na região. A juíza também destaca o papel de cada um deles dentro da facção que, segundo ela, tem agido de forma violenta e ameaçadora.
‘’A segregação cautelar dos indiciados faz-se necessária para a garantia da ordem pública, ante a presença do periculum libertatis, diante das violentas e reiteradas ações praticadas pelos integrantes dessa organização criminosa que assolam a vida dos moradores da comunidade onde mantém suas atividades ilícitas, ceifam vidas de policiais e cidadãos comuns e tornam a sociedade em geral refém de seus desideratos criminosos’’, avaliou.
Quatro mandados de busca e apreensão também foram expedidos pela juíza Angélica dos Santos Costa. De acordo com a magistrada, os locais da busca foram determinados a partir de informações de inteligência, sendo estipulados com o objetivo de buscar armas de fogo e afins.
‘’A busca e apreensão se faz necessária a fim de se buscarem as armas de fogo utilizadas, munições ou qualquer outro objeto ilícito, que por sua vez tenham sido utilizados na pratica da conduta criminosa”, pontuou.
Processo: 0397891-81.2016.8.19.0001

Reprodução: Site TJ/Rio de Janeiro
Imagem: Internet

Categories: Share

Leave a Reply